Afogados da IngazeiraEconomia

CDL de Afogados da Ingazeira informa: Impacto econômico da pandemia foi mais forte que o das guerras mundiais

O primeiro ano da pandemia de Covid-19 prejudicou a economia de 90% dos países do planeta, o maior percentual já registrado em 120 anos, segundo relatório divulgado nesta semana pelo Banco Mundial.

O levantamento da instituição mostra que, de 1901 a 2021, dois períodos de crise chegaram mais perto de 2020. O primeiro foi o da Grande Depressão, iniciado nos Estados Unidos em 1929 e motivado pelo excesso de produção das indústrias e pela especulação financeira.

A recessão americana paralisou os negócios de diversas Bolsas de Valores no mundo, e seus efeitos negativos se estenderam por 80% dos países nos anos seguintes.

A Primeira Guerra Mundial, de 1914 a 1918, afetou o PIB (produto interno bruto) de pouco mais de 60% das nações, mesmo alcance da crise de 2007 a 2009, mais uma iniciada nos Estados Unidos e que se alastrou por todos os continentes.

Em 2008, novamente a especulação levou à paralisação da economia. Naquele ano estourou uma bolha no mercado imobiliário americano quando se percebeu que era inviável manter os preços cobrados pelos imóveis no país, muito acima do que a população poderia pagar.

A Segunda Guerra, de 1938 a 1945, fez seu maior estrago econômico na reta final dos conflitos, com 60% dos países prejudicados.

De acordo com o Banco Mundial, a economia em 2020 foi paralisada porque os governos precisaram conter os danos causados pelo novo coronavírus e pelas medidas de restrição necessárias para conter o avanço das infecções.

No primeiro ano da pandemia, diz a instituição, a economia global encolheu aproximadamente 3%, e a pobreza global aumentou pela primeira vez em uma geração.

Créditos: Charles Maia

Fonte: R7.

Charles Maia

Site de noticia dinâmico e social. Trabalhos do dia a dia de nossa sociedade. Contando histórias de sucesso de povo sertanejos e trajetórias de orgulho de homens e mulheres que tanto contribuíram para o nosso crescimento e conhecimento.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo